Arquivos mensais: novembro 2015

Trânsito evoluindo: números de indenizações do Seguro DPVAT caem no terceiro trimestre do ano

30/11/2015 Por:

Logo-Seguro-DPVAT

De janeiro a setembro de 2015, a Seguradora Líder-DPVAT registrou 518.302 mil indenizações pagas por acidentes de trânsito no País. Desse total, 33.251 mil correspondem a morte, 409.248 mil a invalidez permanente e 75.803 por reembolso de despesas médicas e hospitalares. No entanto, em comparação com o mesmo período de 2014, esses números apresentaram considerável redução: no caso de morte, 17%; invalidez permanente, 5%; e reembolso de despesas médicas e hospitalares, 15%.

Para o Diretor-Presidente da Seguradora Líder-DPVAT, Ricardo Xavier, a notícia é boa, mas ainda há um longo caminho a percorrer: “Vemos como uma evolução, desde o início das operações da Seguradora, esta redução no número de indenizações pagas por invalidez permanente, pois vinha crescendo de forma progressiva. A queda de mortes e reembolsos de despesas médicas já era uma tendência nos últimos boletins. Isso mostra que o esforço em realizar uma fiscalização mais incisiva, tornar os veículos mais seguros e melhorar a percepção da população quanto aos riscos do trânsito vem surtindo efeito. Mas os números ainda são comparáveis a de uma guerra civil, o que nos mostra que temos muito trabalho pela frente”, analisa.

A motocicleta foi o veículo com o maior número de indenizações de janeiro a setembro de 2015 e, apesar de representar apenas 27% da frota nacional, concentrou 76% das indenizações. Do total das indenizações pagas por acidentes com moto, 82% foram para invalidez permanente e 4% para morte.

Região Sudeste registra mais acidentes com vítimas fatais

De janeiro a setembro de 2015, a região Sudeste concentrou a maior incidência dos acidentes com vítimas fatais (37%), com maior participação dos automóveis (48%). A frota de automóveis da região Sudeste representa 55% da frota nacional dessa categoria e a região concentra 49% do total de veículos do Brasil cobertos pelo Seguro DPVAT.

A região Nordeste teve a segunda maior incidência (28%), porém com maior participação das motocicletas, que representaram 61% das indenizações por morte na região. O Nordeste concentra 17% do total de veículos do País, sendo que a sua frota de motocicletas representa 45% do total de veículos da região.

A região Norte concentrou 8% das indenizações por morte no período analisado, sendo que 60% foram por acidentes fatais envolvendo motocicletas. A região concentra apenas 9% da frota nacional de motocicletas, porém essa categoria representa 49% do total de veículos da região.

A região Sul foi responsável por 17% das indenizações por morte pagas no período analisado, sendo que sua frota corresponde a 20% do total do Brasil. Do total de mortes na região, 53% correspondem a acidentes com automóveis, 33% com motocicletas, 11% com caminhões e pick-ups e 3% com ônibus e vans.

Já a região Centro-Oeste respondeu por 10% das indenizações por acidentes fatais pagas de janeiro a setembro de 2015. Sua frota corresponde a 9,11% do total do Brasil. Das mortes verificadas na região, 45% foram ocasionadas por carros, 42% por motos, 11% por caminhões e pick-ups e 2% ônibus.

Projeto de lei para tornar mais rigorosa a punição para evasão do local do acidente

23/11/2015 Por:

hugo leal

Tornar mais rigorosa a penalidade para os condutores que se afastarem do local do acidente para fugir à responsabilidade penal ou civil que lhe possa ser atribuída é o objetivo do Projeto de Lei 2241/2015, de autoria do deputado Veneziano Vital do Rêgo. Em outubro, a Comissão de Viação e Transporte da Câmara aprovou o relatório do deputado Hugo Leal à proposta, que está em tramitação.

Evadir do local do acidente é crime de trânsito e, de acordo com o texto, a pena máxima para esta prática passaria a ser de três anos, assim como a indicada no art.306 do Código de Trânsito Brasileiro, aplicada ao condutor que dirige sob efeito de álcool ou outra substância psicoativa.

Segundo Hugo Leal, a fuga do condutor sem prestar socorro pode ser fatal à vítima do acidente. “É preciso considerar que a evasão do local do acidente está associada à omissão de socorro. Há casos em que o pronto atendimento de eventual vítima de acidente é imprescindível para preservar sua vida”, ressaltou.

Acidentes de trânsito podem acontecer com qualquer um de nós. Viver é a melhor escolha!

19/11/2015 Por:

banner_viva-seguro-transito_03 (1)

Com o mote que “as pessoas acham que acidentes de trânsito sempre acontecem com os outros”, o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária) lançou nesta semana em que foi celebrado o Dia em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito uma campanha de conscientização para toda a sociedade para marcar a data, lembrada em todo o mundo no terceiro domingo de novembro. Neste ano, no dia 15.

Além de destacar esse dia, a campanha apresenta três peças publicitárias, com mensagens vinculadas à sinalização de trânsito, associadas sempre a uma cova ou sepultura. A ideia é trabalhar num forte apelo para que os cidadãos respeitem a leis de trânsito e evitem acidentes. “Afinal, ninguém gosta de sequer olhar um túmulo, mas a sociedade também não mais suporta conviver com tantas mortes.”

Só a título de contextualização, mais de 1,3 milhão de pessoas morrem no trânsito, todos os anos, em todo o mundo. O Brasil é o quarto país em número de mortes nas vias, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde). Os últimos dados oficiais do Ministério da Saúde indicam, em 2013, mais de 42 mil mortes no país e os feridos e sequelados somam mais de meio milhão, de acordo com a Seguradora Líder-DPVAT.

“Queremos que a sociedade reflita sobre as consequências dos acidentes, que resultam em mortes, feridos e sequelados todos os dias, nas vias; e em um sofrimento sem fim para todos, além de enormes prejuízos econômicos também. A escolha dessa imagem de impacto é para sensibilizar a todos”, argumenta o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, José Aurélio Ramalho.

banner_viva-seguro-transito_01

banner_viva-seguro-transito_02

 

 

 

 

 

 

 

 

Campanha para o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito alerta para os riscos do álcool, celular e velocidade

13/11/2015 Por:

dpvat

Com o objetivo de valorizar a vida e sinalizar sobre os riscos de misturar álcool, celular, alta velocidade e direção, a Seguradora Líder-DPVAT lança, no dia 15 de novembro, a campanha para o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito, que acontece na data (terceiro domingo do mês de novembro).  A campanha consiste em  mensagens escritas em fontes tipográficas inspiradas em placas de veículos que sofreram acidentes. Os textos ficam sobrepostos à imagem do asfalto para sensibilizar ainda mais o público.

“O dia 15 de novembro foi escolhido para homenagear todas as vítimas de trânsito. São milhares de pessoas que ficam com sequelas ou morrem todos os dias no Brasil e no mundo. Queremos aproveitar a data para lembrar as pessoas que a vida é muito mais importante do que um chope, uma troca de mensagens no celular ou querer fazer um percurso mais rápido, desrespeitando as leis de trânsito ”, comenta Carlos Guerra, diretor de Relações Institucionais da Seguradora Líder-DPVAT.  “O brasileiro valoriza muito o carro, a moto e o celular. Para muitos, esses bens são vistos como símbolo de status. Justamente por isso, queremos utilizar as letras metálicas para escrever o motivo do acidente sofrido pelo motorista”, explica o executivo. A proposta da campanha é mostrar que por trás das carcaças dos veículos acidentados e suas letras amassadas existem vidas e que, em muitas situações, os acidentes com vítimas fatais poderiam ser evitados.

A campanha será veiculada nas redes sociais e  contemplará também um vídeo com making off, que contará um pouco da história desses acidentes, sendo apresentado na segunda fase após o lançamento no dia 15.

Vamos valorizar a vida! Veja a campanha nos  canais oficiais da Seguradora Líder-DPVAT:

Facebook: facebook.com/dpvatoficial

Twitter: twitter.com/dpvatoficial

Youtube: youtube.com/dpvatoficial

Site: www.seguradoralider.com.br

Seminário Urbanidade discute os cinco pilares da ONU para redução de acidentes e mortes no trânsito

09/11/2015 Por:

09_11_2015_Seminário Urbanidade discute os cinco pilares da ONU para redução de acidentes e mortes no trânsitoO trânsito é um dos grandes desafios da sociedade moderna. A segurança e proteção aos cidadãos que precisam conviver com essa realidade, principalmente nas grandes cidades, é uma das principais preocupações dos órgãos e entidades relacionados ao assunto.

Na semana passada, vários especialistas e autoridades reuniram-se no Seminário de Urbanidade, por uma mobilidade segura, promovido pelo Observatório Nacional de Segurança Viária em parceria com o Correio Braziliense, a Frente Parlamentar por um Trânsito mais Seguro, a Fundação Assis Chateaubriand e a Seguradora Líder-DPVAT. Os debates foram norteados pelos cinco eixos da Organização das Nações Unidas (ONU) para a redução de acidentes e mortes: Insfraestrutura e Gestão, Educação, Segurança Viária, Saúde e Fiscalização. O Observatório Nacional de Segurança Viária realizou uma pesquisa sobre a Segurança Viária no Brasil, avaliando nosso posicionamento dentro dos cinco pilares frente ao cenário mundial, com objetivo de identificar qual a situação atual do país, as boas práticas que estão sendo realizadas e como podemos avançar em cada um destes eixos.

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que foi responsável pela abertura do encontro, defendeu as campanhas educativas como ações fundamentais na prevenção, a exemplo do sucesso da operação Lei Seca no Rio de Janeiro, criada em 2009, e da implantação da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança em São Paulo. “São bons exemplos de práticas que podem começar isoladamente e ser ampliadas”, afirmou o ministro.

A Seguradora Líder-DPVAT participou do Seminário Urbanidade. O presidente da seguradora, Ricardo Xavier, participou do painel sobre Saúde, que contou com a presença do médico Gustavo Fraga, Membro do Comitê de Prevenção da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado (SBAIT); Debora Carvalho Malta, diretora do departamento de doenças e agravos não transmissíveis do Ministério da Saúde; e do Dr. Jerri Adriane, assessor do Deputado Federal Hugo Leal.

O número de doentes decorrentes de acidentes de trânsito não para de crescer. A imprudência e a imperícia de condutores fazem com que tragédias aconteçam todos os dias. Uma das fontes de recursos para pagar essa conta são os repasses feitos anualmente pelo seguro DPVAT destinados ao Fundo Nacional de Saúde. “Atualmente, 76% das indenizações pagas foram por acidentes ocorridos com motocicletas”, informou Ricardo Xavier, diretor-presidente da Seguradora Líder-DPVAT. Ele ressaltou ainda que, só no ano passado, mais de 600 mil indenizações foram pagas por invalidez permanente. “A partir do momento que passamos a simplificar o acesso desse reparo à população, conseguimos ter um panorama do que está acontecendo nas ruas. O número crescente é de sequelados. Na mortalidade tivemos uma redução”, afirma.

O Seminário Urbanidade terá uma segunda parte, no próximo 17/11, quando será discutido o papel da sociedade civil na busca da segurança do trânsito. O evento, que será transmitido pela Internet, acontecerá na véspera da 2ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito – Tempo de Resultados , que será realizada em Brasília nos dias 18 e 19/11. Inscrições gratuitas para o Seminário Urbanidade até dia 13. Acompanhe no site do Observatório: http://www.onsv.org.br/.