Arquivos mensais: julho 2015

Detran-BA lança campanha para aumentar a segurança de motociclistas

30/07/2015 Por:


Com o objetivo de alertar os motociclistas do estado sobre a importância dos equipamentos de segurança e da boa convivência no trânsito, o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA) lançou a campanha “Leve a Consciência na Garupa”.

A ação contará com ações educativas por meio de peças publicitárias veiculadas em diversos tipos de mídia, nas blitzes e nas salas de aula de escolas de trânsito. “Nosso objetivo, além de atentar sobre as normas de trânsito, uso dos equipamentos obrigatórios e estimular a harmonia entre os condutores, tem como pano de fundo uma preocupação que diz respeito à saúde pública, que são os acidentes com motos, sobretudo no interior”, explicou o presidente do Detran-BA Maurício Bacelar para o jornal A Tarde. Ele afirma, ainda, que as motocicletas representam 25% do total de veículos no estado e, do total de beneficiários do seguro obrigatório DPVAT, 60% são motociclistas acidentados. “Por isso, convocamos a sociedade a nos ajudar com o sucesso desta campanha”, convidou.

De acordo com dados do Departamento Nacional de Trânsito, a frota de motocicletas na Bahia foi de 121.276 para 1.102.623 veículos nos últimos 15 anos, um crescimento de 800%. Além disso, em março deste ano o jornal A Tarde publicou uma matéria em que mostrava que os acidentes com motos custaram aos cofres públicos cerca de R$ 5,1 milhões, o que representa 50% do total empregado pelo Sistema Único de Saúde na Bahia no mesmo ano.

Nossa homenagem aos motoristas, caminhoneiros e motociclistas!

27/07/2015 Por:


Hoje o post é dedicado a três categorias de condutores: motoristas, caminhoneiros e motociclistas. Os dois primeiros comemoraram o dia dedicado a eles em 25 de julho e, o último grupo, celebra hoje essa data especial. Gostaríamos de exaltar todos aqueles que conduzem os seus respectivos veículos com responsabilidade, respeitam as leis de trânsito e contribuem para fazer das ruas e estradas do Brasil lugares mais harmônicos e seguros.

Mas também chamamos a atenção para os altos índices de acidentes que envolvem tanto motoristas de automóveis e ônibus, como caminhoneiros e motociclistas. De acordo com dados da Seguradora Líder-DPVAT, em todo o ano de 2014, os acidentes com motocicletas representaram a maior parte das indenizações pagas do Seguro DPVAT, 76% (580.063), apesar de representar apenas 27% da frota nacional. Nesse mesmo período, os automóveis, somados aos ônibus e micro-ônibus, foram responsáveis por 161.447 pagamentos (21%). Já para os caminhões e pick-ups foram 21.855 indenizações, ou 3%.

Ainda é preciso muito esforço e conscientização para mudar esse cenário. Temos que comemorar as conquistas, mas não podemos nos esquecer do caminho que ainda precisamos percorrer para aumentar a segurança no trânsito.

Veja, nos vídeos abaixo, algumas dicas práticas que caminhoneiros e motociclistas devem incluir nas suas rotinas. E parabéns a todos!

Mais de 20 mil crianças morrem ou ficam inválidas em decorrência dos acidentes de trânsito a cada ano

23/07/2015 Por:


Acidentes de trânsito estão entre as principais causas de mortes e internações de crianças no Brasil. Segundo os dados do DPVAT, as indenizações pagas por morte de crianças em acidentes de trânsito gira em torno de seis por dia e feridos com invalidez permanente supera a média de 50 diários. Estamos falando de mais de 20 mil crianças que morrem ou ficam com invalidez para toda vida a cada ano.

Para aumentar a segurança dos pequenos no trânsito, além da direção responsável do motorista, é preciso respeitar as normas de segurança para as crianças.Ao utilizar dispositivos apropriados, o menor dificilmente será arremessado para frente em caso de colisões ou freadas bruscas, o que implicaria sérios riscos à saúde e até a morte dele e de quem estiver no banco da frente. Além disso, uma criança projetada nas costas do motorista numa freada poderá provocar um acidente que seria evitado caso o condutor não sofresse essa pancada.

De zero a 12 meses, a criança precisa viajar no equipamento denominado bebê-conforto ou assento conversível, no banco de trás. O bebê fica quase deitado, com o rosto de frente para o encosto do banco traseiro. Dessa forma, a criança é transportada com segurança e conforto.

De 1 a 4 anos, os pais devem trocar o equipamento por outro parecido, chamado popularmente de cadeirinha. Nesse caso, a criança fica sentada e olhando para a frente. Os dois equipamentos possuem cinto de segurança próprio. Depois, até 7 anos e meio, troca-se a cadeirinha por um assento elevado, no qual o pequeno passageiro passa a usar o cinto do veículo. A partir dos 10 anos, a criança já pode sentar no banco da frente, sempre usando o cinto de segurança.

Somente crianças a partir de 7 anos podem ser levadas na garupa de motocicletas, veículo, na nossa avaliação absolutamente inadequado para o transporte de crianças. Caso ela já tenha completado a idade de 7 anos e ainda é pequena, a ponto de seus pés não alcançarem o estribo de apoio, tenha deficiência física ou esteja com algum membro engessado, ela fica impedida de viajar na moto. E a partir de 7 anos as crianças devem sempre usar o capacete.

O motorista que não cumprir os procedimentos pode ser multado em R$ 191,54 e perde sete pontos na Carteira por se tratar de infração gravíssima. Com a obrigatoriedade do uso da cadeirinha desde 2010 e outras medidas, as indenizações por morte de crianças em acidentes de trânsito no Brasil recuaram de 1502 no primeiro semestre de 2013 para 1.088 no primeiro semestre de 2014. Mas o crescimento do transporte em motos vai comprometendo essas conquistas. Portanto, não temos nada para comemorar. E evitar a morte de crianças é responsabilidade dos adultos.

Rodolfo Alberto Rizzotto
Formado em Direito e Economia, coordena o programa de segurança nas estradas SOS Estradas e edita o site www.estradas.com.br, onde é possível acompanhar os temas de seus artigos também em arquivos de áudio, disponíveis para download.

Londres inova para ciclista ganhar mais tempo nos semáforos em cruzamentos

20/07/2015 Por:


A cidade de Londres, no Reino Unido, está dando mais um passo rumo à integração dos meios de transporte. Está em fase de testes um sistema que permitirá que os ciclistas tenham mais tempo nos semáforos em cruzamentos nos horários de pico.

A iniciativa é da prefeitura, com apoio do órgão de transporte público do município, o Transport for London (TfL), e funcionará da seguinte forma: um sistema inteligente identificará a quantidade de ciclistas circulando em uma rota e fará com que o semáforo fique verde para eles por mais tempo.

Para realizar os testes, os especialistas utilizaram duas novas tecnologias: uma baseada em radar, e outra térmica, para detectar a temperatura dos ciclistas na zona de identificação com mais eficiência.

De acordo com o TfL, o número de viagens de bicicleta na cidade aumentou para 610 mil por dia, a uma média de 5%. Isso significa 23 milhões de trajetos feitos sobre duas rodas. Por enquanto, o sistema está funcionando apenas entre a Cable St. e a Cycle Superhighway 3.

Reciclagem do motorista infrator: oportunidade para rever comportamentos e atitudes

16/07/2015 Por:


A suspensão da Carteira Nacional de Habilitação é uma exigência prevista no Código de Trânsito Brasileiro para os motoristas que atingem 20 pontos pelo somatório de suas infrações ao longo de 12 meses ou por cometerem infrações de natureza gravíssima, cuja sanção administrativa já contempla a suspensão (caso da Lei Seca, por exemplo). Para recuperar sua licença, o motorista infrator, depois de cumprido o prazo da suspensão, precisa passar por um curso de reciclagem previsto em Resolução do CONTRAN e submeter-se a uma prova do DETRAN.

E essa é uma questão que preocupa os órgãos de trânsito. Os Centros de Formação de Condutores (antigas autoescolas) que oferecem esse curso, pela similaridade das matérias, não fazem turmas específicas e esses motoristas acabam integrando as turmas de formação de novos condutores, geralmente jovens ansiosos por conhecer a dinâmica do trânsito e conquistar a tão sonhada habilitação. São públicos distintos, com objetivos e razões também distintas, e que exigem abordagens pedagógicas e didáticas específicas para cada caso.

Para tentar minimizar os efeitos negativos dessas duas questões, o DETRAN/RJ assim como o de Santa Catarina, Pernambuco e Minas Gerais, estabeleceram as regras para o curso de reciclagem a distância e homologou as instituições de ensino habilitadas à sua execução, incluída aí uma rigorosa análise do conteúdo programático aplicado.

Nesse contexto, destaca-se a o projeto apresentado pelo ICETRAN – Instituto de Certificação e de Estudos de Trânsito e Transportes que agregou às 30 horas aulas exigidas pela lei uma abordagem humanística, no tratamento das consequências de comportamentos imprudentes, impulsivos ou negligentes no trânsito que levam, invariavelmente, à ocorrência de tragédias e traumas físicos e emocionais, sem contar os danos materiais.

Para isso o ICETRAN contou com a colaboração da TRÂNSITOAMIGO, Associação de Parentes Amigos e Vítimas de Trânsito, no desenvolvimento de uma bem sucedida estratégia de buscar profunda reflexão sobre a responsabilidade de todos e evidenciando valores como o respeito ao outro, ao ambiente, à vida, e a importância da solidariedade e do controle das emoções.

Na opinião do Professor Sidnei Schmidt, diretor do ICETRAN, o objetivo principal do curso de reciclagem “não é apenas facilitar os meios para que esse condutor suspenso possa recuperar a sua habilitação. Mas sim convencê-lo da necessidade da mudança de comportamento, transformando-o em um multiplicador do conceito de responsabilidade no trânsito, contribuindo assim para a redução dos índices da violência sobre rodas que, todos os anos, mata quase 50 mil brasileiros. ”

Para saber mais sobre o Curso de Reciclagem de Condutores Infratores a distância, acesse: http://icetran.org.br/Cursos/reciclagem