Arquivos mensais: maio 2015

Polícias rodoviárias entre o combate ao crime e a segurança no trânsito

28/05/2015 Por:


Há poucos dias visitando o site da Polícia Rodoviária Federal tivemos mais uma confirmação de como mudou a atribuição das polícias rodoviárias nas estradas brasileiras. Antes considerada uma polícia de trânsito, cujo papel era garantir a fluidez do tráfego e a fiscalização para evitar acidentes, nos dias de hoje, é uma força policial que combate o crime e também cuida do trânsito.

Basta ver as notícias postadas no www.prf.gov.br. São drogas apreendidas com passageiros de ônibus, nos automóveis, carretas com toneladas de drogas, sem contar o contrabando e tráfico de armas. Numa carreta parada pela PRF os dois motoristas apresentaram aos agentes notas fiscais emitidas mostrando que a carga seria de milho a granel, na verdade, carregavam mais de 1 milhão de maços de cigarro contrabandeados. Já em outro veículo foram encontradas 16 pistolas, mais de 2.000 munições e presos dois homens. Além disso, os policiais rodoviários ainda têm que lidar com frequentes interrupções do tráfego nas rodovias devido a protestos sob as mais variadas justificativas.

O mesmo ocorre nas rodovias estaduais onde os policiais rodoviários passam pelas mesmas situações. Em todas as esferas, federal e estaduais, o efetivo policial e as condições de trabalho estão muito aquém do necessário para fazer frente as atribuições atuais de quem fiscaliza a rodovia: que é garantir o trânsito seguro e combater a criminalidade. Na hora do acidente os policiais têm que atender as vítimas, sinalizar o local e ainda evitar, nos acidentes com caminhão, o roubo de carga por pessoas que aparecem de todos os cantos e muitas vezes não têm a menor cerimônia de roubar com as vítimas agonizando. Sem contar os policiais que ainda têm de evitar que as vítimas sejam enganadas, porque logo aparecem pessoas para oferecer caixão, ou vem de caneta em punho pedindo assinatura nas procurações para receber o DVPAT, como se fossem ajudar a vítimas e seus familiares.

Lógico que existem maus policiais rodoviários que não honram a farda e cometem abusos e ilegalidades, os quais devem ser denunciados pelo cidadão e existem caminhos para isso. Mas a verdade é que a maioria trabalha com seriedade, carrega nas costas uma enorme responsabilidade, correm risco diariamente e sofrem com o desgaste de imagem causado por maus colegas. Sem contar que tem o papel de fiscalizar e punir infratores, o que não é visto com simpatia.

Quem é flagrado em excesso de velocidade normalmente reclama da indústria da multa ou alega que o limite de velocidade é baixo. Esquecem que ninguém é obrigado a andar acima da velocidade permitida e que limites de velocidade não são estabelecidos por engenheiros mal humorados, mas baseados em critérios técnicos de segurança. Ao policial rodoviário cabe apenas cumprir a lei. Quando ele cumpre é praticamente impossível encontrar alguém que foi multado dizer ao patrulheiro: “Parabéns, o senhor tem toda razão. Eu estava em excesso de velocidade e merecia ser punido” . Geralmente vão tentar justificar a infração com as desculpas mais esfarrapadas. Há poucos dias conversando com um policial, ele contava que pegou um motorista no seu esportivo a 160km/h. Estava de chinelo de dedo, sem camisa e uma linda loira de biquíni ao lado. Na hora que foi parado disse que estava dirigindo nessa velocidade porque estava indo para o enterro da avó. O policial deu os pêsames e naturalmente a multa .

Por isso, está na hora da sociedade valorizar quem aplica a lei e trabalha em prol da segurança nas estradas. É preciso aumentar o efetivo e oferecer mais equipamentos e estrutura para as polícias rodoviárias. Afinal, estão cuidando da segurança de todos nós nas rodovias e combatendo o crime.

Rodolfo Alberto Rizzotto
Formado em Direito e Economia, coordena o programa de segurança nas estradas SOS Estradas e edita o site www.estradas.com.br, onde é possível acompanhar os temas de seus artigos também em arquivos de áudio, disponíveis para download.

Confira as 10 dicas de segurança no trânsito do Maio Amarelo

25/05/2015 Por:

Celular e maquiagem: distrações perigosas no trânsito

21/05/2015 Por:


Conduzir um veículo exige a máxima atenção do motorista. Qualquer distração diminui o tempo de resposta aos imprevistos, aumentando as chances de acidente. Hoje, um dos principais motivos de falta de atenção nas ruas é o celular. Ainda que haja muita propaganda alertando para os riscos do uso do aparelho ao volante, muitos condutores ainda cometem essa infração.

Somente em São Paulo, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), o número de multas aplicadas por causa do uso do aparelho teve um aumento de 2,7% entre 2013 e 2014, quando foram cometidas 382.803 infrações. Falar ao celular, mesmo pelo fone ou viva voz, é considerada uma infração média, com multa de R$ 85,13 e o motorista leva 5 pontos na carteira de habilitação. Um estudo do NHTSA –departamento de Trânsito dos Estados Unidos– revela que o uso de dispositivos móveis ao volante aumenta em até 400% o risco de acidente, ou seja, é tão perigoso quanto beber antes de dirigir.

Um outro tipo de distração, mais comum para as mulheres, é a maquiagem. O ideal é que o veículo esteja estacionado para que a condutora possa retocar a maquiagem ou o cabelo. O espelho do para-sol só deve ser usado quando o veículo estiver parado. Mesmo que pareça simples, tirar os olhos da via por alguns segundos pode ser determinante para causar um acidente.

Dirija com atenção! Caso precise atender ao celular ou retocar a maquiagem, estacione o veículo em um local seguro e garanta a sua segurança e de todos os que compartilham as ruas com você.

O Movimento Maio Amarelo está chamando a atenção para os riscos do uso do celular e da maquiagem no trânsito em vídeos que destacamos abaixo:

Você se comunica bem no trânsito?

18/05/2015 Por:


A comunicação no trânsito é essencial para prevenir acidentes. O motorista que utiliza corretamente as setas, sinais de braço e os faróis passa para os demais usuários da via todas as suas intenções, permitindo que eles antecipem também as suas ações.

As setas, por exemplo, devem ser usadas sempre que houver a necessidade de fazer uma conversão, retorno ou mudança de faixa. Já os sinais de braço complementam o uso da seta. Os faróis, além de iluminar, podem ser utilizados para pedir passagem ou sinalizar algum problema na via.

Confira nos vídeos abaixo mais informações sobre o uso desses recursos de comunicação e ajude a construir um trânsito mais seguro!

Movimento Maio Amarelo ilumina o Cristo Redentor

14/05/2015 Por:


Como parte das ações do Movimento Maio Amarelo, o Cristo Redentor, um dos principais cartões postais da cidade do Rio de Janeiro, foi iluminado de amarelo no último sábado, 9 de maio. Essa iniciativa ampliou a lista de monumentos pelo Brasil que deram visibilidade ao Movimento, ressaltando a importância de um trânsito mais seguro. Já foram palco de ações lugares importantes como a Catedral de Brasília, o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o prédio do Supremo Tribunal Federal. Além disso, o Maio Amarelo foi divulgado também no Maracanã, na final do campeonato carioca, com a exposição de uma faixa e a veiculação nos painéis do estádio de mensagens do Movimento Maio Amarelo.

O objetivo da campanha é cumprir metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), que visam reduzir o número de mortes causados por acidentes de trânsito até 2020. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a violência no trânsito mata cerca de 1,3 milhão de pessoas por ano em 178 países. Além disso, o estudo “Retrato da Segurança Viária no Brasil”, divulgado pelo Observatório Nacional de Segurança Viária no ano passado, aponta que uma pessoa morre a cada 12 minutos vítima de acidente de trânsito no país. As maiores vítimas são os motociclistas com 36, 2% dos óbitos e 55% dos feridos, enquanto as motos representam “apenas” 26,4% da frota nacional.

De acordo com o site do movimento Maio Amarelo, em sua segunda edição, já são mais de 18 países participantes, dos cinco continentes. São mais de 500 entidades, sendo 24 internacionais, apoiando ações e iniciativas por um trânsito mais seguro.