Arquivos mensais: março 2015

Ar condicionado no veículo: você cuida do seu?

30/03/2015 Por:


No Brasil, quando as temperaturas ficam altas, o ar condicionado do carro é sempre um grande aliado. Mas você sabia que o equipamento precisa de manutenção o ano todo? Confira as dicas abaixo e fique em dia com o ar condicionado de seu veículo:

– Ligue o equipamento pelo menos uma vez por semana, mesmo nas estações mais frias. Isso evita que o óleo fique parado no compressor e que as mangueiras ressequem;

– Mantenha o condensador, colocado à frente do radiador do seu carro, o mais limpo possível, livre de insetos e outros detritos. Dessa maneira, você garante o livre fluxo de ar;

– Faça uma revisão geral no ar condicionado pelo menos uma vez ao ano, para garantir que todas as peças funcionam perfeitamente;

– Caso o sistema perca gás, corrija o vazamento e proceda a recarga do gás e do óleo do sistema que, nessas condições, é arrastado pelo gás;

Um veículo em perfeitas condições de uso proporciona uma experiência de direção muito mais agradável ao usuário e previne que pequenos problemas sejam uma distração na hora de dirigir. Manter a manutenção completa do seu carro em dia também é uma questão de segurança!

Investimento em ciclovias pode trazer redução de custos para as cidades

26/03/2015 Por:


O estudo “Os custos sociais e os benefícios da bicicleta: simulando os efeitos de políticas específicas a partir de sistemas de modelos dinâmicos”, divulgado por pesquisadores da Nova Zelândia na revista americana Environmental Health Perspective, do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental, apontou que, para cada dólar gasto com a construção de ciclovias segregadas, as cidades podem economizar até US$ 24, graças à redução de custos com saúde, poluição e tráfego.

A principal autora do estudo, Alexandra Macmillan, disse em entrevista ao site Co.Exist que a intenção da pesquisa era explorar alguma escolhas políticas que poderiam ser realistas, a preços acessíveis, transformadoras e saudáveis. “No momento em que a maioria das cidades está dominada pelos carros, é fácil justificar o dinheiro gasto com novas estradas como resposta à crescente utilização do automóvel, apesar dos impactos negativos que isso traz ao meio ambiente e à saúde das pessoas, agora e no futuro”, explicou.

De acordo com o site Opera Mundi, seis pesquisadores analisaram a cidade de Auckland, a maior da Nova Zelândia, em parceria com a agência de transporte local, e foram capazes de calcular de que forma diferentes investimentos em ciclovias impactariam na vida da população. “Estima-se que essas mudanças trariam grandes benefícios para a saúde pública nas próximas décadas, em dezenas de dólares para cada dólar gasto em infraestrutura. Os maiores benefícios serão a redução da mortalidade por todas as causas”, completa.

O alto preço que se paga por infrações de trânsito

23/03/2015 Por:


O Brasil está na lista dos cinco países com o trânsito mais violento do mundo. Diariamente são registrados acidentes dos mais variados tipos e níveis de gravidade, envolvendo motocicletas, carros, caminhões, ônibus e pedestres. Motoristas alcoolizados, dirigindo em alta velocidade, falando ao celular e ultrapassagens são as principais causas de acidentes. Para evitar esses acidentes e punir os responsáveis, foram criadas as leis e multas de trânsito.

As multas podem ter o caráter educativo, pois espera-se que o motorista irresponsável aprenda com seu próprio erro e evite repeti-lo, numa atitude preventiva. De acordo com a legislação vigente, quando recebe uma multa de trânsito, o motorista do veículo perde pontos na Carteira de Habilitação (CNH), além de ter que pagar o valor correspondente à multa que recebeu. Os pontos e o preço são definidos de acordo com a gravidade da infração cometida. As multas são divididas em quatro categorias: infração gravíssima, infração grave, infração média e infração leve.

Listamos abaixo algumas multas que são aplicadas para infrações, para que todos possam conhecer:

Uso de películas escuras: Infração grave, com multa no valor de R$ 127,69 e perda de cinco pontos na carteira.

Farol ou lanterna queimada: Infração média, com multa no valor de R$ 85,13.

Pneus ruins: Infração grave, com multa de R$ 127,69. O pneu não pode estar liso em nenhum ponto ou com sulco inferior a 1,6mm;

Fumar guiando: Qualquer ato que implique em dirigir com apenas uma das mãos é infração média com valor de R$ 85,13.

Conduzir veículo falando ao celular: Infração média, com multa no valor de R$ 85,13.

Som alto (em volume não autorizado pelo Contran): Infração grave, com multa no valor de R$ 127,69

Não dar preferência ao pedestre: infração grave, com multa no valor de R$ 191, 54.

Furar o sinal vermelho: infração grave, com multa no valor de R$ 191,54

Algumas infrações de trânsito tiveram seus valores alterados pela Lei 12971/2014, como ultrapassagens em faixa contínua ou em local proibido, infrações gravíssimas que passaram a ter fator multiplicador 05, chegando a R$ 957,70. Já para ultrapassagens pela contramão, por exemplo, a infração passou a ser multiplicada por dez, com multa de R$ 1.915,40. Praticar rachas também passou a ser considerada infração gravíssima, com valor da multa de R$ 1.915,40.

O preço que se paga por cometer infrações no trânsito pode ser muito mais alto que os valores das multas. Pode custar uma vida, a sua ou de outra pessoa. E vida não tem preço. Pense nisso. Portanto, dirigir com segurança é sempre a melhor opção. Não dói no bolso e nem na consciência.

Acidente com 51 mortos em Santa Catarina traz lições que precisamos aprender

19/03/2015 Por:

Crédito: Perícia


Santa Catarina foi palco há poucos dias do maior acidente com ônibus da nossa história, considerando o número de mortos em um único veículo. Nada menos que 51 pessoas morreram no local.

Infelizmente, a prática ensina que nos primeiros dias a cobertura da imprensa é grande e as pessoas ficam chocadas, acompanham o drama dos familiares das vítimas, mas quando são enterrados os primeiros corpos, seguimos em frente, quase que aceitando o que ocorreu.

No nosso entendimento, acidentes são uma fonte de ensinamento que não pode ser desperdiçada, pois custa a vida de muita gente. É preciso aprender com eles e tomar medidas para que não se repitam.

A grande lição dessa tragédia é que um acidente não ocorre apenas por um fator, e sim por uma soma de situações. No caso específico deste acidente de ônibus temos vários ingredientes: ônibus velho, sem cinto de segurança, motorista cansado, documentação irregular, excesso de passageiros, estrada perigosa, velocidade excessiva, enfim um cardápio de fatores que contribuíram para a desgraça.

Entretanto, independente da perícia do acidente, já ficou comprovado que o fator humano teve uma grande contribuição neste caso, principalmente devido ao cansaço do motorista. Ele saiu na sexta-feira de União da Vitória no Paraná e, devido a problema mecânico, parou depois de duas horas de direção e ficou a noite em claro tentando consertar o veículo. Quando chegou o ônibus reserva na tarde de sábado ele estava esgotado, mas decidiu seguir viagem mesmo assim. Essa é a primeira grande lição, o condutor tem que estar descansado, caso contrário coloca em risco a sua vida e de terceiros. E, no caso deste motorista, ele perdeu um filho que o acompanhava.

Mas o pior é que esse acidente poderia ser evitado caso não tivessem revogado a Lei do Descanso dos Motoristas Profissionais e ela fosse fiscalizada de fato. Lamentavelmente a revogação, ocorrida 11 dias antes do acidente, foi para aprovar um novo texto que podemos chamar de Lei da Fadiga, pelo número absurdo de horas de trabalho a que são submetidos os motoristas profissionais.

Rodolfo Alberto Rizzotto
Formado em Direito e Economia, coordena o programa de segurança nas estradas SOS Estradas e edita o site www.estradas.com.br, onde é possível acompanhar os temas de seus artigos também em arquivos de áudio, disponíveis para download.

Vamos comemorar os três anos do blog!

16/03/2015 Por:


Estamos comemorando o terceiro ano do nosso blog Viver Seguro no Trânsito, que vem cumprindo o relevante papel de gerar informação para a sociedade sobre os riscos nas ruas e a importância de um trânsito seguro. Com o mote “Sinal verde para a vida!”, nossa campanha de divulgação reforça os três anos do blog e mostra que cada um de nós pode contribuir para um trânsito mais seguro e pacífico para todos, mensagem que transmitimos com frequência em nossas publicações.

Todas as segundas e quintas temos um novo texto por aqui. Os assuntos são relacionados ao dia a dia de todos os envolvidos no trânsito: motoristas, motociclistas, passageiros e pedestres. Dentre as postagens mais populares, estão as que abordam temas relacionados às estatísticas de trânsito, motociclistas, mulher ao volante, uso do celular e álcool na direção, boas práticas, gentileza, legislação, entre outros.

Até hoje, já recebemos a visita de mais de 260 mil pessoas de diversas cidades do Brasil e o nosso Blog contabilizou mais 400 mil páginas visualizadas.

Nossa intenção é chamar a atenção de toda a sociedade para o problema que enfrentamos todos os dias nas ruas e estradas brasileiras. Lamentavelmente, perdemos muitas vidas para a violência no trânsito. Apenas em 2014 foram pagas mais de 763 mil indenizações do Seguro DPVAT, sendo que 54.767 para vítimas de acidentes fatais.

Os números são alarmantes. Mas, juntos, nós podemos mudar esse cenário. Afinal, estamos falando em preservar o que temos de mais importante: as nossas vidas.

Aproveitamos para agradecer a sua participação no blog e por estar conosco nessa luta por um trânsito mais seguro. E lembre-se: sinal verde para a vida!

Mulheres são menos multadas que os homens e tornam o trânsito mais seguro

12/03/2015 Por:


O crescimento do número de mulheres motoristas é uma tendência irreversível. Elas estão aprendendo a dirigir para trabalhar, atender a família e até para dirigir profissionalmente. Por isso, é cada vez mais comum encontramos mulheres guiando táxi, ônibus e até caminhão.

Ao contrário do que muitos homens imaginam, mulheres são multadas proporcionalmente menos que os homens. No Rio Grande do Sul elas são 31% dos motoristas mas responsáveis por apenas 22% das multas, já os homens ficam com 78%. No Nordeste, onde o número de mulheres ao volante era muito baixo no passado, a presença feminina no trânsito também vem crescendo.

Mesmo quando multadas as mulheres cometem infrações de menor gravidade, tanto no Brasil como exterior. O que levou uma seguradora britânica especializada em motoristas mulheres, a Sheila’s Wheels , a propor que o Governo crie faixas exclusivas para mulheres nas rodovias mais movimentadas para garantir a segurança das motoristas. A iniciativa é decorrente do resultado de estudos que demonstram que as mulheres são mais vulneráveis nas estradas porque os homens dirigem de forma perigosa.

Dados do Departamento Britânico de Transportes indicam que em 2012 os homens estiveram envolvidos em 114.190 acidentes e as mulheres 70.470. O mesmo relatório indiciou que os motoristas homens são penalizados quatro vezes mais por infrações graves que as mulheres, o que explica a vulnerabilidade das mulheres transitando na mesma pista que os homens.

Com já mencionamos aqui, apesar de representarem mais de 30% dos motoristas em circulação no Brasil, das 763 mil vítimas de trânsito indenizadas pelo DPVAT em 2014, 75% eram homens e 25% mulheres.

No Paraná do total de motoristas que tiveram a carteira suspensa em 2014 por atingir 20 pontos, os homens representam 74% e as mulheres 26%.

As mulheres costumam ser mais cuidadosas no trânsito, raramente são flagradas dirigindo embriagadas. Não costumam dirigir em excesso de velocidade, fazendo manobras arriscadas ou pilotar moto sem capacete. As infrações mais frequentes do público feminino são dirigir falando ao celular e estacionar em local proibido.

As mulheres tem um papel educativo que não pode ser desprezado. Na prática a maioria das crianças ainda tem as primeiras lições de segurança no trânsito com suas mães. Aprendem como se comportar como pedestres, passageiros de veículos e na sociedade moderna as crianças tem como referência de motorista modelo uma mulher: a sua mãe. Por isso, a responsabilidade das mulheres para um trânsito seguro assume outra proporção.

Infelizmente, existe uma tendência de crescimento de infrações graves cometidas por mulheres ao volante, mas apesar disso, a simples presença feminina no trânsito pode estimular os homens a dirigirem de forma mais prudente e gentil e as crianças a serem pedestres e motoristas mais cuidadosos.

Por fim, há de se reconhecer que as mulheres criam tornam o trânsito mais agradável e menos hostil.

Rodolfo Alberto Rizzotto
Formado em Direito e Economia, coordena o programa de segurança nas estradas SOS Estradas e edita o site www.estradas.com.br, onde é possível acompanhar os temas de seus artigos também em arquivos de áudio, disponíveis para download.

Sobe para 763 mil o número de vítimas de acidentes de trânsito no Brasil em 2014, indenizadas pelo Seguro DPVAT

09/03/2015 Por:


Diariamente, crianças, jovens, idosos, trabalhadores sofrem com a violência das ruas e estradas do País. Os dados da Seguradora Líder-DPVAT só comprovam. Em 2014, mais de 760 mil indenizações do Seguro DPVAT foram pagas para as vítimas de acidentes de trânsito em todo o Brasil. O número é 20% superior ao registrado em 2013, que foi de 633 mil indenizações. Uma triste realidade do trânsito brasileiro.

O levantamento do Seguro DPVAT aponta que 78% (595.693) das indenizações pagas correspondem à cobertura de invalidez permanente, 15% (115.446), de reembolso de despesas médicas e 7% (52.226), de morte.

A comparação com 2013 revela que houve um aumento de 34% no número de indenizações pagas por invalidez permanente, uma queda de 14% nas indenizações por reembolso de despesas médicas e uma diminuição em 5% no número de mortes.

Segundo Ricardo Xavier, Diretor-Presidente da Seguradora Líder-DPVAT, as estatísticas mostram que a adoção de equipamentos e políticas de segurança, como uso do cinto, airbag, redução da velocidade nas vias e a Lei Seca já trazem resultados positivos, como a diminuição das mortes. No entanto, na categoria motocicleta ainda há um aumento de indenizações por invalidez permanente a cada ano.

“As motocicletas substituíram a locomoção por animal nas áreas rurais do Brasil. Nas grandes cidades, tornaram-se o meio de transporte mais ágil para fugir dos engarrafamentos, mas, justamente, o motorista de moto é quem sofre uma incidência maior de lesões físicas. Uma pequena queda já pode causar uma invalidez permanente devido à alta exposição do corpo. A indenização do Seguro DPVAT ameniza o primeiro impacto dos custos financeiros, ajudando os herdeiros ou a própria vítima, em um momento doloroso que nenhuma família imagina que irá passar”, analisa Xavier.

Perfil das vítimas mostra que mulher se acidenta menos

Das 763 mil vítimas de trânsito, em 2014, 75% eram homens e 25%, mulheres. Os jovens continuam sendo a maior parcela dos acidentados: 24% das vítimas tinham entre 18 a 24 anos, 28%, de 25 a 34, 19%, de 35 a 44, 19%, 45 a 64, 4% mais de 65, 1% de 0 a 7 e 5% de 8 a 17.

Das indenizações pagas por morte, 50% (25.889) foram destinadas a motoristas (sendo 16.356 motociclistas), 31% (16.252) pedestres e 19% (21.776) passageiros.

Uma triste realidade: acidentes com motocicletas são a maioria

Em 2014, 76% das indenizações pagas foram para acidentes envolvendo motocicletas – o veículo de duas rodas representa 27% da frota nacional. Das indenizações pagas no período, 82% foram referentes à invalidez permanente e apenas 4% por morte. O restante para reembolso de despesas médicas.

Foram mais de 580 mil vitimas em acidentes com motocicleta, a maioria do sexo masculino (88%) nas indenizações de morte (88% é para as indenizações de morte em acidentes envolvendo motocicletas). Já os automóveis representaram 19% (147.012) das indenizações pagas, as pick-ups e vans 3% (21.855) e ônibus, micro-ônibus e vans representaram 2% (14.435).

Para atender a demanda crescente de beneficiários, a Seguradora Líder-DPVAT conta com um total de 7.880 pontos de atendimento em todo o Brasil. Para localizar o ponto mais próximo de você, basta acessar o site www.dpvatsegurodotransito.com.br.

Estatísticas comprovam: mulheres são mais cautelosas no trânsito

05/03/2015 Por:


No próximo domingo, dia 8 de março, comemoramos o Dia Internacional da Mulher. E gostaríamos de prestar uma homenagem a todas as mulheres que, todos os dias, lutam por respeito e igualdade. E as estatísticas comprovam, ano após ano, que elas se envolvem em menos acidentes do que os homens quando estão no trânsito. Quando analisamos os sinistros pagos pela Seguradora Líder DPVAT em 2014, num total de 763.365 indenizações, vemos que 25% foram para mulheres e 75% para homens. No caso de morte, a diferença é ainda maior com 82% de vítimas pertencentes ao sexo masculino.

O menor risco associado à mulher ao volante, também pode ser verificado pelas estatísticas referentes ao condutor do veículo. No ano passado, apenas 10% das indenizações pagas foram para motoristas do sexo feminino, contra 57% para motoristas do sexo masculino.

Outros dados apontam que, em 2014, do total das indenizações pagas por morte e invalidez permanente, envolvendo mulheres, 39% eram motoristas, 20% pedestre e 41% passageiros, não tendo variação significativa em relação a 2013. Em relação ao tipo de veículo envolvido nos acidentes com mulheres, no mesmo período, 56% das mortes foram decorrentes de acidentes com automóveis e 73% dos casos de invalidez permanente, de acidentes com motocicletas, registrando, respectivamente, uma queda de 2 e um aumento de 4 pontos percentuais, se compararmos com o ano de 2013.

Embora a Região Sul concentre 14% da população feminina do país, o percentual de indenizações pagas envolvendo vítimas femininas, por morte, em 2014, foi de 18% e, para invalidez permanente, 16%. Já na Região Sudeste, no mesmo ano analisado, tanto o percentual de morte quanto o de invalidez, 37% e 26%, respectivamente, ficaram abaixo dos 43% de concentração de mulheres nesta Região.

Ainda que os homens estejam mais expostos aos riscos de acidentes de trânsito, tanto pelo aspecto das suas atividades profissionais ou por constituírem a maior parcela de condutores habilitados a conduzir veículos das mais variadas categorias (caminhões, ônibus, automóveis, vans, táxis e motocicletas), há que se considerar que a cautela, a atenção e a prudência das mulheres no trânsito podem ser apontadas como fatores importantes para o contraste nas estatísticas entre os acidentes envolvendo homens e mulheres.

Parabéns às mulheres pelo seu dia! Mas não vamos nos esquecer: todos somos responsáveis por promover a paz no trânsito. Que o respeito pela vida – de homens, mulheres e crianças – esteja mais presente nas ruas e estradas brasileiras.

Pesquisa identifica a “sensação de farol acesso” gerada pelo acendimento do painel eletrônico de alguns veículos

02/03/2015 Por:


Quando escurece, devemos acionar os faróis do nosso veículo para facilitar a circulação pelas ruas e evitar acidentes. Por isso, saber utilizar as luzes e lanternas corretamente é muito importante para dirigir com tranquilidade, pois elas são um importante instrumento de comunicação com todos que compartilham a mesma via.

A visibilidade no trânsito é um fator muito importante de segurança e é a iluminação dos faróis que permite que o motorista veja não só os obstáculos da via, como também os outros ocupantes da mesma, como outros motoristas, pedestres e ciclistas.

Diante desse cenário, o Observatório Nacional de Segurança Viária identificou que alguns veículos comercializados no Brasil têm o acendimento da iluminação do painel de instrumentos efetuado apenas com a ignição do veículo, possibilitando o tráfego do mesmo com os faróis apagados, uma vez que o motorista tem a sensação de faróis acesos, visto que internamente as luzes do painel estão acesas.

Por isso, o Observatório realizou uma pesquisa que visava identificar características do acendimento de painéis eletrônicos que pudessem induzir os motoristas a trafegar em condições pouco seguras. O documento comprovou que esta é uma prática que acontece com 30% dos veículos analisados, ressaltando que é importante que os condutores fiquem atentos ao acendimento efetivo do farol para evitar acidentes de trânsito.