Arquivos mensais: fevereiro 2015

Você sabia que sua vida está diretamente ligada a dos caminhoneiros?

26/02/2015 Por:


Nos últimos dias, caminhoneiros estão bloqueando estradas em vários pontos do Brasil. Muita gente assiste isso pela televisão, no conforto do seu lar mas não se dá conta que isso diz respeito a todos nós.

Da mesma forma, quando pegamos a estrada para viajar, curtir o fim de semana ou feriado, passamos por centenas, as vezes milhares de caminhoneiros e olhamos como se eles fossem estranhos que não fazem parte das nossas vidas.

A verdade é que quando acordamos e tomamos nosso café da manhã ou vamos ao mercado buscar mantimentos, abastecemos nosso carro ou entramos na loja para comprar uma roupa, em todos esses momentos estamos vinculados a vida dos caminhoneiros, pois eles transportam esse itens. No trânsito, seja nas ruas como estradas, a nossa segurança também depende das condições de trabalho desses profissionais.

São pessoas que vivem 300 dias por ano longe das suas famílias, que perdem os aniversários, as datas importantes. Dormem em condições precárias, correndo toda sorte de perigo. A maioria dos motoristas tem sérios problemas de saúde, fruto do estilo de vida que levam. Ganham pouco, dormem mal, são explorados e depois abandonados como carros no ferro velho.

Muitos sofrem acidentes graves e ficam sem condições de trabalho e quando morrem, as vezes o máximo que conseguem deixar para a família é a indenização do Seguro DPVAT.

Essa é a realidade desses homens e mulheres que estão na pista, transportando para nos alimentar e atender nossas necessidades materiais. E precisamos entender que somos em parte responsáveis pelas condições de vida e trabalho desses profissionais.

Precisamos de transporte eficiente, mas seguro. Queremos consumir, mas sem o sangue da estrada na nossa mesa. Temos que valorizar o transporte socialmente responsável que remunere adequadamente os motoristas e que garanta a eles as mínimas condições para realizar seu trabalho.

Rodolfo Alberto Rizzotto
Formado em Direito e Economia, coordena o programa de segurança nas estradas SOS Estradas e edita o site www.estradas.com.br, onde é possível acompanhar os temas de seus artigos também em arquivos de áudio, disponíveis para download.

Brasil a caminho de ter sua primeira usina de reciclagem de veículos

23/02/2015 Por:


O Brasil agora poderá contar com sua primeira usina de reciclagem de carros. Montada no Campus II do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), o objetivo é que a planta reaproveite veículos no fim de sua vida útil. O projeto é uma parceria do CEFET com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) e a empresa Kaiho Sangyo, líder em reciclagem de veículos no país oriental.

Toda a tecnologia para o funcionamento da primeira usina piloto do tipo na América Latina é japonesa. Técnicos e professores do CEFET passarão uma temporada no Japão para aprender as técnicas de reciclagem de veículos e utilizá-las no Brasil.

Em entrevista para o programa Hoje em Dia, da Record, o diretor-geral do CEFET, Márcio Silva Basílio, contou que com as novas técnicas será possível aproveitar quase tudo dos veículos em fim de vida útil, restando apenas 5% dos materiais. “No Brasil, joga-se na prensa e não se retira o que pode ser reaproveitado. Já no Japão, são reciclados o combustível, a fiação de cobre, o estofamento, os tecidos, a platina, o catalisador e até o ouro e a prata dos circuitos eletrônicos dos computadores de bordo”, explicou.

Cinto de segurança: quem ama a vida usa sempre

19/02/2015 Por:


Você usa o cinto de segurança quando está no banco traseiro de um veículo? Sabia que, de acordo com um estudo da Abramet, usar esse acessório pode diminuir em até 75% o risco de morte em casos de acidentes? Infelizmente, o cinto de segurança do banco de trás muitas vezes é esquecido. E no período de Carnaval, em que as estradas estão mais cheias, é muito importante que os passageiros sejam sensibilizados com essa questão.

De acordo com uma pesquisa da Agência de Transporte de São Paulo, divulgada em reportagem do Bom Dia Brasil, feita com 19 mil veículos em rodovias do estado, 53% dos passageiros do banco traseiro dos carros não utilizavam o cinto. Entre 2011 e 2014, 69% dos passageiros que estavam no banco de trás e que morreram em acidentes nas rodovias de São Paulo estavam sem o cinto.

Uma resolução do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) promete trazer ainda mais segurança para os ocupantes dos carros: a partir de 2020, todos os veículos zero quilômetro deverão ter apenas o cinto de segurança de três pontos para todos os ocupantes, não havendo mais os abdominais, inclusive no banco traseiro. O apoio de cabeça também será obrigatório em todos os assentos.

A lei atual determina que o cinto de três pontos seja utilizado pelos passageiros da frente e os laterais traseiros, por isso é pouco comum que ele seja encontrado no assento central do banco de trás.

O cinto de segurança é um aliado importante na preservação da vida. Estando os ocupantes do veículo nos bancos da frente ou no banco de trás, todos devem usar o cinto. Aproveite e confira nosso vídeo sobre a importância do uso do cinto de segurança no banco traseiro.

Carnaval com alegria e paz no trânsito!

12/02/2015 Por:


Para alguns, o Carnaval é tempo de alegria, festa e diversão. Para outros, uma oportunidade de recarregar as baterias para seguir o ano com tranquilidade. Seja qual for o seu perfil, é importante que este período seja aproveitado com responsabilidade.

Se for pegar a estrada, não se esqueça de fazer um check up completo no seu veículo e programar a viagem com antecedência para não ter imprevistos. E, a principal dica para os foliões ou mesmo para quem vai descansar: se beber, não dirija!

Dados da Seguradora Líder DPVAT demonstram que, nos últimos anos, as ocorrências de acidentes – indenizados pelo Seguro DPVAT – envolvendo veículos automotores, no período de Carnaval (compreendendo o período da sexta-feira até a quarta feiras de cinzas), tiveram um crescimento significativo, principalmente nos casos envolvendo motocicletas, que, entre 2010 e 2014, cresceram 156%. Estes números ainda podem aumentar, lembrando que o prazo para pedido de indenização é de até 3 anos.

Além disso, a cobertura com maior crescimento de ocorrências é invalidez permanente, com 174%, sendo que os casos envolvendo motocicletas cresceram 208%.

Os sábados e domingos do Carnaval são os dias da semana deste feriado que apresentaram maior incidência de ocorrências indenizadas pelo Seguro DPVAT nos últimos 5 anos. Nestes dias foram observadas mais de 40% dos registros de acidentes. Mas, também durante o resto do ano, os dias de maior incidência de ocorrências, indenizadas pelo Seguro DPVAT, são os sábados e domingos. Em 2014, 59% dos acidentes com vítimas fatais, indenizados pelo Seguro DPVAT, que aconteceram nos dias de fim de semana do carnaval, ocorreram no domingo enquanto 41% foram registrados no sábado. Já nos dias normais, 52% dos acidentes com vítimas fatais, indenizados pelo Seguro DPVAT, nos dois dias de fim de semana, ocorreram no domingo enquanto 48% no sábado.

Em todos os anos analisados, as faixas etárias de 18 a 34 anos foram as que mais estiveram envolvidas nos acidentes de trânsito, representando, ainda entre 2010 e 2014, percentuais superiores a 54%.

Aproveite o Carnaval com tranquilidade e sempre pensando na sua segurança. Se for consumir bebida alcoólica, dê preferência ao transporte público. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, o metrô funcionará 24h por dia nos dias de folia.

Pule, mas pule fora de qualquer ato de irresponsabilidade. Brinque, mas leve a vida a sério. Bom Carnaval!

A importância de trafegar com a viseira fechada

09/02/2015 Por:


As altas temperaturas do verão brasileiro têm impactos na vida daqueles que trabalham sobre duas rodas. Muitas vezes, numa tentativa de amenizar o calor das ruas, alguns motoboys acabam abrindo a viseira do capacete. Você sabe qual o risco dessa “simples” prática para a sua vida?

Imagine que você esteja trafegando a 60 km/h com a viseira aberta e um inseto, eventualmente, se choca contra os seus olhos. A primeira reação será a de fechar os olhos e tentar levar uma das mãos à parte atingida. Consequentemente, ocorrerá um grande risco de o condutor perder o equilíbrio e daí, você já sabe, é chão… Agora, imagine a mesma situação, trafegar a 60 km/h, mas, agora, ao invés de um simples inseto, o objeto da colisão será uma pedra levantada por um veículo a sua frente. Bom, é melhor nem prosseguir com a previsão… Além do risco de causar uma lesão grave na cabeça, novamente haverá a certeza da queda e de outros ferimentos que colocarão a sua vida e a de outros em perigo.

Percebe a importância de andar com a viseira do capacete fechada?

“Ah, mas faz muito calor nessa época do ano”, alguns poderão argumentar. Ok, calor a gente sente em qualquer lugar da cidade durante o verão. Numa tentativa de amenizar os efeitos das altas temperaturas, o Código Brasileiro de Trânsito permite que o condutor abra a viseira enquanto estiver parado em um sinal vermelho, por exemplo. Mas lembre-se, assim que o sinal verde surgir e você retomar o movimento, feche imediatamente a viseira. Vale lembrar que trafegar com a viseira aberta é passível de multa: três pontos na carteira e o pagamento do valor de R$ 53,20.

Para finalizar, nunca é demais lembrar que o motociclista, seja a trabalho ou a lazer, sempre deve usar os equipamentos de segurança: capacete, jaqueta, calças, luvas e botas. Em caso de queda, a vestimenta adequada ajuda a amenizar as lesões.

Se proteja, se cuide e, lembre-se, em caso de acidente, conte com o Seguro DPVAT, o seguro do trânsito que está há 40 anos ao lado dos brasileiros.