Arquivos mensais: novembro 2014

Super dicas para economizar o combustível do seu veículo

27/11/2014 Por:

Economizar no consumo de combustível é uma questão que traz não só benefícios econômicos, mas, também, ambientais, gerando melhoria da qualidade de vida. Para otimizar o uso deste recurso não é preciso fazer mudanças no automóvel, apenas conhecer bem a sua rotina e mudar alguns hábitos.

Por exemplo, acelerar e frear bruscamente, além de ser um perigo para o condutor, é uma prática que não contribui para a economia de combustível. O correto é acelerar gradativamente e frear com calma, o que exige maior atenção do motorista.

Em 1991, o Governo Federal lançou o Programa Nacional de Racionalização do Uso dos Derivados do Petróleo e do Gás Natural (CONPET) para promover o desenvolvimento de uma cultura antidesperdício no uso dos recursos naturais não renováveis no Brasil. Por meio deste programa, lançou uma cartilha que dá dicas de economia de combustível para os condutores.

Entre as orientações estão o planejamento do itinerário, que ajuda a evitar vias congestionadas e voltas desnecessárias, e também manter o motor do carro sempre regulado. Confira mais algumas dicas:

– Mantenha sempre os pneus calibrados, a direção alinhada e as rodas balanceadas. Estudos indicam que pneus mal calibrados podem elevar em até 10% o nível de combustível;

– Verifique sempre os cabos, velas e demais componentes do sistema de ignição, mantendo-os em boas condições. Uma boa ignição melhora o desempenho do veículo e ajuda a poupar combustível;

– Não carregue peso desnecessário, nem sobrecarregue o carro. Isso força o motor e aumenta o consumo. Para cada 50kg de peso extra, o consumo pode aumentar 1%.

– Verifique periodicamente os freios. Eles podem estar presos e, consequentemente, você estará desperdiçando combustível. É também uma questão de segurança.

No site do CONPET, há mais dicas sobre economia de combustível: http://www.conpet.gov.br/portal/conpet/pt_br/pagina-inicial.shtml

Acidentes com ciclomotores são uma preocupação para o país

24/11/2014 Por:

O Brasil possui uma grande frota de motocicletas, mas, o que muitos não sabem, é que em vários municípios brasileiros, para pilotar um ciclomotor, não é necessário registro ou licenciamento. Este é um problema que contribui diretamente para o aumento do número de acidentes envolvendo esse tipo de veículo, principalmente nas regiões Norte e Nordeste do país.

Um ciclomotor é um veículo de duas ou três rodas que possui um motor de combustão interna, que não passa de 50 cilindradas e não excede a velocidade de 50 km/h. Conhecido popularmente como “cinquentinha”, é um veículo econômico e, também, barato, uma vez que o proprietário não precisa pagar as taxas de regulamentação nos municípios que não contam com lei específica para ciclomotores, o que contribui para um aumento do número deste tipo de transporte nas ruas.

A falta de controle abre espaço para que uma série de irregularidades ocorram: condutores alcoolizados ou sem CNH ou até mesmo crianças conduzindo as “cinquentinhas”. O resultado disso é um número alarmante de acidentes envolvendo este veículo. De acordo com matéria publicada no Jornal do Commercio, em 2013, pelo menos 20 crianças menores de 13 anos morreram em acidentes com as cinquentinhas no Estado de Pernambuco, segundo levantamento do Comitê de Prevenção aos Acidentes de Moto em Pernambuco (Cepam). “É uma epidemia”, alerta o coordenador-executivo da entidade, o médico João Veiga. “Fizemos a contabilidade até o último dia do ano, no IML, mas podia haver pessoas internadas e esse número ser maior.”

Em alguns municípios, principalmente nas capitais, há um movimento para que os ciclomotores sejam regularizados e que, dessa forma, veículo e proprietário passem a seguir todas as exigências da legislação nacional de trânsito, estando sujeitos a todas as penalidades administrativas e financeiras. Isso obrigaria que, pelo menos, todos os condutores tivessem a CNH e fossem maiores de 18 anos.

Em Natal (RN), por exemplo, foi publicado este mês no Diário Oficial do Estado, um convênio entre o Departamento de Trânsito do Rio Grande do Norte (Detran/RN) e a Prefeitura do município que obriga o registro e o emplacamento dos novos veículos ciclomotores adquiridos por proprietários residentes na capital.

A paz no trânsito é uma questão de educação e conscientização, por isso é importante que todos os agentes envolvidos no trânsito busquem soluções para diminuir o número de óbitos e acidentes com sequelas nas ruas e estradas brasileiras. É preciso envolver a população, alertar para os riscos e buscar, cada vez mais, a valorização da vida. Faça a sua parte!

Uso de celular no trânsito, uma combinação perigosa

19/11/2014 Por:

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, dirigir falando ao celular é considerado uma infração média, equivalente a jogar lixo na rua ou andar com o braço para fora da janela. Em entrevista para o site Portal do Trânsito, o diretor-geral do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) do Ministério da Saúde, João Antônio Matheus Guimarães, alerta que o uso do celular, no entanto, é a atividade mais perigosa, pois diminui os reflexos do motorista.

De acordo com uma pesquisa divulgada pela Universidade de Utah, nos Estados Unidos, checar o celular toda hora aumenta em 400% o risco de acidente. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia realizou uma enquete no Rio de Janeiro e em São Paulo que atestou que 84% dos motoristas têm o hábito de dirigir e falar ao celular, embora todos estejam conscientes de que esse é um comportamento perigoso.

Usar fone de ouvido ou dispositivos de alto falante no carro são igualmente prejudiciais, de acordo com alguns especialistas, pois também tiram parte da atenção do motorista. A lei que considera usar celular ao volante uma infração de gravidade média é de 1995, quando os celulares no Brasil eram pouco mais de 4 milhões. Hoje, chegam a 265 milhões.

Para os pedestres também há risco de acidentes associados ao uso do celular. A distração pode fazer com que atravessem sem olhar para os dois lados e não estejam atentos se o sinal está vermelho para os carros, aumentando o risco de atropelamentos.

A responsabilidade pela segurança no trânsito deve ser de todos. Motoristas e pedestres devem colocar a sua segurança sempre em primeiro lugar. O ideal é que, caso o uso do aparelho celular seja urgente, o motorista encoste o carro e o pedestre pare em algum lugar seguro na calçada, realize a atividade e, depois, siga o seu caminho com atenção.

Confira nossos vídeos explicativos sobre os riscos de usar o celular no trânsito:

Um minuto de atenção e silêncio pelo Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito

13/11/2014 Por:

Em 2005, a Organização das Nações Unidas determinou que em todo terceiro domingo do mês de novembro fosse celebrado o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito. Desde então, ações são organizadas em várias partes do mundo para homenagear as vítimas fatais de acidentes de trânsito, bem como suas famílias. No Brasil, a data começou a ser comemorada em 2008, trazida pela Associação Trânsito Amigo, e acontecerá novamente este ano, no próximo domingo, 16 de novembro.

Dados da Seguradora Líder-DPVAT informam que, somente no primeiro semestre deste ano, foram pagas 25.181 indenizações do Seguro DPVAT por morte. Os casos fatais registraram uma redução de 13% com relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo assim, os números continuam chamando a atenção para a violência do trânsito no Brasil, que já registrou mais mortes do que o vírus Ebola no mundo, no mesmo período.

Nos acidentes que resultaram em perda de vidas, os motoristas representaram 50% das indenizações pagas, sendo a grande maioria os condutores de motocicletas.  Do total de pagamentos entre janeiro e junho de 2014, 31% foi para casos de morte de pedestres.

Em todo o ano passado, a frota de automóveis, que representa 60% da frota total de veículos no Brasil de acordo com o Denatran, representou 46% das indenizações pagas por morte, enquanto que a frota de motocicletas, apenas 27% da frota de veículos, representou 41%.

Infelizmente, ainda registramos muitas mortes nas ruas e estradas brasileiras. São pais, mães, amigos, irmãos, filhos e filhas que têm as suas vidas interrompidas de maneira brusca e violenta, marcando para sempre a vida de quem fica. Mais do que nos solidarizarmos com as famílias dessas vítimas, temos que aproveitar a data para refletir e discutir maneiras que evitem que mais vidas sejam perdidas.

Respeitar o trânsito é valorizar a vida. Esta é a homenagem do Seguro DPVAT no Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito.

Para marcar esse dia, recomendamos também o vídeo produzido pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, não deixe de ver!

 

Ciclovias protegidas? Nova Iorque dá exemplo de segurança e mobilidade urbana

10/11/2014 Por:

Implantar ciclovias protegidas nas cidades é um problema ou uma solução? Um estudo sobre as ruas de Nova Iorque, divulgado no site FastcoExist, aponta que separar os diferentes tipos de tráfego torna os deslocamentos mais rápidos.

Desde 2007, a cidade conta com trechos de ciclovias protegidas que vem diminuindo o risco de acidente para ciclistas e pedestres. O estudo mostra que, mesmo com o grande aumento do número de ciclistas, o número total de acidentes envolvendo os que se deslocam sobre duas rodas caiu entre 2001 e 2013, representando uma diminuição de 65% no risco de acidentes relacionados com o ciclismo urbano. O número total de acidentes envolvendo todos os meios de transporte caiu 20% nesse período. Além disso, o tempo de deslocamento nessas ruas também diminuiu. Por exemplo, o tempo gasto no trânsito na Columbus Avenue caiu 35%.

Já na Primeira Avenida a velocidade média dos táxis ficou maior nos trechos onde as ciclovias foram instaladas e, nos trechos sem ciclovias, houve um aumento no tempo de deslocamento.

De acordo com o estudo, os novos espaços ajudam até mesmo o comércio local, pois a cidade descobriu que as ciclovias protegidas estão diretamente ligadas a um aumento das vendas nos locais em que estão instaladas, bem como o desenvolvimento de novos postos de trabalho e o aumento no fluxo de turistas.