Arquivos mensais: julho 2014

Veículo parado na garagem precisa de cuidados especiais?

31/07/2014 Por:

 

Manter um veículo parado na garagem pode não ser sinônimo de economia. Isso porque a falta de uso pode comprometer peças vitais para o funcionamento do automóvel como a bateria, o combustível que está no tanque e até mesmo os pneus. Confira algumas dicas para minimizar possíveis problemas:

– É normal que os pneus fiquem murchos com a falta de uso e, além disso, o peso do veículo pode causar a deformação dos mesmos. Se souber que o carro vai ficar parado por um tempo, a dica é calibrar um pouco acima da média recomendada pelo fabricante.

– Quando a bateria não é acionada com frequência, pode apresentar variação de carga, o que poderia impedir a partida do veículo. Por isso, o ideal é ligar o motor uma vez por semana, por cerca de 15 minutos, e mover o veículo para frente e para trás.

– Faça a troca de óleo e combustível antes de deixar o carro parado, pois ambos se deterioram com o tempo e podem comprometer o motor.

– Evite deixar o veículo parado em locais abertos, pois ele ficará exposto à poluição e umidade. Não o cubra também com lona de plástico para não causar riscos na lataria.

– Se o automóvel ficou parado mais de 90 dias, faça um check-up completo para avaliar as condições do mesmo antes de usá-lo nas ruas.

Cuide bem de seu veículo para garantir a sua segurança!

FONTE: Site De Carona com Elas

Dia do Motociclista também é dia de pensar a paz no trânsito!

28/07/2014 Por:

 

Ontem foi comemorado o Dia do Motociclista. Sabemos que muitos de nossos leitores são apaixonados por motos, por isso dedicamos esse post para dar um panorama da situação das motocicletas no trânsito brasileiro.

Infelizmente, os motociclistas ainda representam números muito altos no total de acidentes de trânsito no Brasil. Dados da Seguradora Líder DPVAT demonstram que no primeiro trimestre de 2014, seguindo a mesma tendência dos anos anteriores, as motos representaram a maior parte das indenizações, 74% (119.901), do total de 161.070 pagamentos feitos no período. Ou seja, foram quase 120 mil pessoas envolvidas em acidentes de trânsito que tiveram o seu benefício pago nos primeiros três meses do ano. Desse total, 80% das indenizações foram para invalidez permanente e 5% para mortes.

Além disso, somente no primeiro trimestre de 2014 já foram pagas mais de 55 mil indenizações por invalidez permanente a vítimas na faixa etária entre 18 e 34 anos, envolvendo o uso de motocicletas. Os jovens brasileiros são as maiores vítimas dos acidentes violentos de trânsito e essa é uma realidade que precisamos mudar.

Por isso, reforçamos a importância do uso dos equipamentos de segurança como o capacete, colete e protetores de mãos. Os motociclistas devem praticar a direção defensiva e procurar manter-se sempre à vista dos demais motoristas. A moto é o agente mais vulnerável do trânsito, pois o erro de um carro, ônibus ou caminhão pode ter consequências muito graves para quem pilota uma moto. Por isso, evite “cortar” os carros no trânsito, pois uma mudança brusca de direção do veículo da frente pode causar um acidente.

Seja um motociclista consciente e faça a sua parte para contribuir com a paz no trânsito! Parabéns aos motociclistas!

Vamos comemorar o Dia do Motorista com mais reflexão sobre as nossas atitudes no trânsito

24/07/2014 Por:

 

O dia 25 de julho é especial nas ruas e estradas brasileiras. Isso porque amanhã comemoramos o Dia do Motorista. Essa foi a data escolhida porque também é Dia de São Cristóvão, padroeiro dos condutores. Gostaríamos de homenagear a todos eles e lembrar a importância que esses agentes possuem na construção da paz no trânsito.

Dados da Seguradora Líder DPVAT apontam que, de janeiro a março deste ano, a maior parte das indenizações do Seguro DPVAT foi paga para os motoristas. Em acidentes fatais, o número total de pagamentos foi de 12.401 e os condutores representaram 50% das indenizações, ou seja, 6.209. Destes condutores que foram a óbito, 64% eram motociclistas. Em acidentes com sequelas permanentes, motoristas foram indenizados em 63% dos casos, representando 76.419. Destes condutores que ficaram permanentemente inválidos, 92% eram motociclistas. Em todo o ano de 2013, foram 633.845 indenizações pagas e a maior incidência de vítimas também foi entre os motoristas, predominantemente do sexo masculino, com 60% (382.321), e destes condutores indenizados pelo Seguro DPVAT, 87% eram motociclistas.

 

Os condutores, sejam eles de carro, ônibus ou caminhão, estão muito expostos aos acidentes de trânsito, os altos números de indenizações demonstram isso. E é por essa razão que eles precisam se conscientizar de que são agentes da mudança. Praticar a direção defensiva, respeitar os limites de velocidade e demais leis de trânsito é uma questão de educação, cidadania e amor ao próximo.

Se cada um fizer a sua parte, poderemos mudar o cenário do trânsito brasileiro que é tão violento hoje. Dirija com prazer e vamos levar paz e gentileza para as ruas! Parabéns aos motoristas!

Você sabe o que fazer para poder dirigir no exterior?

21/07/2014 Por:

 

Passagem aérea em mãos, hotel reservado e veículo à disposição para passear em um país estrangeiro. A combinação é bem interessante e alugar um carro pode proporcionar praticidade e liberdade na viagem, mas, para dirigir no exterior, é preciso seguir algumas orientações e conhecer as normas do país para não ter surpresas que prejudiquem os planos.

Antes de embarcar, é importante pesquisar sobre a legislação de trânsito do país de destino e verificar as leis que permitem a condução de veículos por motoristas estrangeiros. De maneira geral, é permitido ao estrangeiro dirigir em mais de 180 países como turista por até um ano, a partir da data de entrada em seu território. Para evitar problemas, a melhor opção é tirar a licença internacional conhecida como Permissão Internacional para Dirigir (PID).

Esse documento é aceito na maioria dos países do mundo e as informações são traduzidas em vários idiomas, o que permite a comunicação com as autoridades estrangeiras. Para conseguir a PID, o motorista deve estar com a sua CNH em dia, pagar a taxa de serviço (DUDA) no valor de R$107 e agendar o atendimento no DETRAN pelo site ou Central de Relacionamento.

Alguns países não exigem a PID, mas seguem regras definidas por acordos e convenções internacionais que padronizam as leis de trânsito para aumentar a segurança nas estradas. Já em lugares como Reino Unido, Índia, Austrália, África do Sul, entre outros, por exemplo, existem outras especificidades: o volante dos carros fica no lado oposto, ou seja, do lado direito, e as mãos das estradas e ruas são invertidas. Isso exige uma atenção ainda maior do motorista, que deve buscar conhecer os costumes locais e dirigir com responsabilidade para evitar acidentes. Se você não se sentir seguro para dirigir, opte pelos transportes públicos ou planeje seu orçamento prevendo saídas de taxi. O importante é a segurança estar sempre em primeiro lugar! Sua e a dos outros!

Boa viagem!

Estudo aponta que quem anda de bicicleta é mais feliz

17/07/2014 Por:

 

O tipo de transporte que escolhemos no nosso dia a dia afeta o nosso bom humor? Qual a influência que andar de carro, ônibus, metrô ou bicicleta pode ter em nosso bem estar? Um estudo divulgado por pesquisadores da Clemson University, nos EUA, se propôs a analisar essa relação e comprovou: pessoas que usam a bicicleta nos seus deslocamentos diários são geralmente mais felizes do que aqueles que dirigem carro ou utilizam transporte de massa.

“Nossos resultados sugerem que o uso da bicicleta pode ter benefícios além daqueles associados à saúde e mobilidade normalmente citados”, dizem os autores. “Valorizar a experiência emocional no trânsito pode ser tão importante quanto melhorar os recursos de serviços tradicionais, como rodovias e tempo de viagem”, acrescentam.

O estudo ainda fornece informações sobre formas de melhorar os serviços de transporte existentes e de que forma os investimentos em mobilidade podem trazer resultados mais positivos. De acordo com a publicação, passageiros de carro vêm logo atrás dos ciclistas no quesito “felicidade” e condutores de automóveis ficam em terceiro lugar.

Os menos felizes da lista são pilotos e passageiros de ônibus e os autores explicam que isso tem a ver com o trajeto mais longo e menos confortável e, muitas vezes, pelos congestionamentos.

Que tal então uma pedalada com segurança? Independente do destino, estaremos mais felizes. Além disso, nosso planeta agradece!